sábado, 16 de janeiro de 2010

estreia V


o que um ginásio salesiano não faz com nossa cabeça... até personagens de terror bem intencionados, somos capazes de imaginar. e pensar que nessa época eu assistia a todos os filmes da hammer, produtora inglesa especializada em terror, pelos buracos da sala de projeção do cinema em que meu pai trabalhava.

7 comentários:

Dagomir Marquezi disse...

Estrear em quadrinhos ao lado do glorioso Nico Rosso? Isso não tem preço.

jo fevereiro disse...

Não tem preço mesmo, Dagô. É uma daquelas raras oportunidades que surgem em nossa vida, e marcam definitivamente.

bruno di chico disse...

Porra, Jo. É até crueldade de bom essas páginas. Muito foda mesmo. Até dei um Ctrl c + Ctrl v. Eu estou meio sumido ajudando a montar a exposícão do Tide lá na caixa da Sé. Aparece lá pra gente tomar um café e trocar umas ideas a semana que vem. Entro de manhã e saio umas 00h. Valeu.

Abraço.

Danilo Vasques disse...

jo, esses últimos posts foram sensacionais, tanto pelos quadrinhos de outrora que, em minha visão, mostravam-se promissores já naqueles anos, como pelas espiadas pelos "buracos da sala de projeção" que, imagino, tenham sido argamassa para toda a vida. muito bacana. um grande abraço. danilo

jo fevereiro disse...

Bruno, acabo de receber o convite para a vernissage. Mas estou muito curioso para ver a montagem. Vou aparecer lá, sim, para esse café.
Danilo, você deve imaginar o que senti ao assistir o "Cinema Paradiso" do Tornatore.

Adriana e Filipe disse...

Jo,
As debilidades desta história, você já as apontou e até com bom humor. Mas o facto é que ficamos sempre com vontade de ver o que viria a seguir e isso é o melhor que se pode dizer acerca de uma história.
Portanto, parabéns para você e também para o saudoso Nico Rosso por ter confiado num promissor jovem de 15 anos.

jo fevereiro disse...

Meus amigos ADRIFIL,
A presença de vocês neste blog, sempre acrescenta um incentivo precioso. Agradeço duplamente, por mim e pelo saudoso Nico.